25.4.09

O resto dos outros (#4)

O ponto que queria marcar com a perguntinha nada inocente do primeiro desta série de posts, que, recordo, se pode traduzir como "onde é que está a informação quando nós precisamos dela?"***é: não seria melhor haver uma estrutura decente qualquer que ajudasse, de forma eficiente, um jovem a escolher a sua profissão? Aqueles psicotécnicos manhosos que nos fazem na escola, não servem para nada, o que prova que dificilmente o grátis é bom: na minha turma a 80% deu-nos que podíamos escolher "tudo". Ora obrigadinha, sim, e emprego, onde é que ele está? Eu até acho que o mercado de trabalho de qualquer europeu é, no mínimo, a Europa. Mas há quem pense de forma diferente. Há quem não sinta essa luta interna entre as saudades de casa e o gostar de conhecer outras paragens. E esses, como ficam quando descobrem que o curso que escolheram "não há" no mercado de trabalho? Digo eu, muito contentes não podem ficar. (***Nota: se algum freakalhoide responde "Google", relembro que em 1997 não existiam motores de busca dignos desse nome.)

2 comentários:

Miguel Estevez Cardoso disse...

Ola margarida (ja te disse que gosto do teu nome?), a ACAG esta de volta!

La te esperamos!

Anónimo disse...

Querida amiga,

Essas coisas não acontecem por vários factores : 1º - muitos cursos fechariam, 2 º- se calhar primeiro do que o fecho dos cursos está a irreverência própria da miudagem quando acha que ' ok, este curso não dá emprego mas isso a mim não acontece de certeza '. Há ainda os miudos que pensam ' se não fôr Engenheiro Aeroespacial não quero ser mais nada ... Depois há também o factor surpresa como eu tive quando no 3º ano do curso reparei que o mercado está minado de 'lobby's' e nunca havia de ter espaço ... Tenho que ir depois falamos . Bjs Jo