31.12.08

E prontoS!

Estivesse eu na Austrália.... e já era 2009!!! Feliz ano! :)

30.12.08

Mudar o Mundo

Esta história aconteceu numa tarde. Não foi numa tarde de frio, num qualquer Dezembro chuvoso. Estava calor, lembro-me. Eu teria talvez 15 anos. Eu tinha tempo, nessa altura. E por isso, se calhar, pensava menos. Nessa tarde abrasadora, lá iam, caminhando de mãos dadas, duas irmãs. Uma era uma teenager inconsciente, repleta de toda a moralizante juventude (nesses anos tudo gira à nossa volta - e nós não vemos). A outra era uma criança feliz, amada e bonita. As irmãs lá iam, descontraidamente, tendo conversas próprias de irmãs. Ali perto, num daqueles bancos de madeira tão vulgares em muitos parques e jardins de Lisboa, estava um velho. Quão velho não sei. Mas com bastantes rugas. 70 e muitos, provavelmente. E o velho tinha um saco de plástico na mão. Daqueles do Pingo Doce. Nesta história (estava-se mesmo a ver) o trajecto das duas irmãs vai obviamente passar pela beira do banco onde o velho se encontra. Quando chega o momento, o velho tira algo do seu saco de plástico e estica o braço, estendendo-o à criança. "Toma! É para ti, toma!" E a jovem, que afinal não passava de uma miuda tola e inexperiente, tem a reacção única e automática e óbvia e possível. Recusa amavelmente, puxa a irmã, apressa o passo, desvia o olhar (sem no entanto conseguir evitar o cruzar de olhos, aquele olhar, a tristeza do velho). Afinal vê-se com cada coisa. Nunca se sabe. Lisboa, anos 90. Nunca aceitar nada de estranhos, dizia a mãe, a avó, a vizinha, o piriquito. Tinha feito o certo. Tinha protegido a irmã de um estranho. Nunca se sabe. E assim sendo, as duas irmãs continuaram o seu trajecto. Do velho, não sei. Porque é que esta história não acaba aqui? Porque enquanto caminhava, ainda atordoada, sem olhar para trás, a jovem viu tudo. E teve vontade de vomitar. E tenho vontade de vomitar, só de me lembrar. Nesse rápido olhar, o que vi foi um saco com várias embalagens de marcadores Molin. O velho só queria oferecer uma caixinha de marcadores à criança que, com alegria, viu aproximar-se. E porquê, afinal? Porque esta história aconteceu no dia 1 de Junho. Dia da Criança. Eu ia com a minha irmã ao shopping comprar-lhe uma prenda. O velho era pobre, corcunda, maltrapilho, e tinha um saco cheio de marcadores Molin. Ofereceu-os. A uma criança. E a irmã não deixou. Será que alguém consegue sentir o que ainda sinto, passados tantos anos? Nunca me perdoei. Não ter parado para pensar, em vez de ter cedido à tentação do pânico fácil e desconfiança do próximo, tão típica dos meios urbanos. Afinal era um velho. Eram 3 da tarde. Era um parque cheio de gente. Não ter voltado para trás assim que me apercebi. É claro que nunca mais o vi, que nunca vou poder pedir-lhe desculpa. Assim, resta-me a lembrança. O olhar. Aquele olhar. Ele não pediu. Ele não ofendeu. Ele apenas quis dar. Talvez gostasse de crianças. Talvez gostasse do sorriso das crianças, que sorriem com tão pouco, e tão sinceramente. Talvez gostasse apenas de dar, do muito pouco que tinha. Mas agora, de que valem os talvez? Se esta história tivesse acontecido em Dezembro provavelmente tinha sido diferente. Seria Natal. Teria pensado duas vezes. Teria visto a idiotice que era a reacção que tive, antes de a ter. Nessa altura, eu já tinha lido o Principezinho. Mas ainda não tinha visto o essencial. É invisível aos olhos... E por isso aqui deixo esta história. Por muito cliché que seja, o Natal devia ser mesmo todos os dias. Termos as nossas mentes e os nossos corações um pouco mais abertos, em vez de restringirmos à época natalícia toda a mais variada gama de balelas (balelas porventura bem-intencionadas, mas ainda assim balelas, já que são rapidamente esquecidas). Seríamos mais felizes. E como somos muitos, o Mundo seria, sem dúvida, desmesuradamente melhor. Feliz Natal.
(Texto de minha autoria, publicado como artigo de opinião na revista Aetécnico, da AEIST, em Dezembro de 2002.)

20.12.08

19.12.08

Stooooooooorm!

Fui buscar o meu presente de Natal para mim própria. Custou uma ninharia, graças ao muito dinheiro que estorei em chamadas ao longo do ano. É lindo, não é? Agora só falta aprender a trabalhar com ele!

18.12.08

Os gatos da minha vida (#6 - Remake)

A Pequenutas, que em Agosto veio cá passar um fim-de-semana a casa, virou gata Mégui, emigrou para Lisboa e agora é da nossa família. Gata cheia de personalidade, rosna e tudo, e como qualquer gato que se preze gosta de sacos de plástico (se tiver prendinha lá dentro, e um aquecedor a poucos cm, ainda melhor).
O motivo porque esta pequenutas se chama Mégui (como Maggie mas escrito de maneira a que um espanhol possa ler como deve ser), será explicado mais adiante, se não for antes deduzido pelo inteligente leitor.

Que belo dia faz em Lisboa!

Ainda bem que estou em Madrid! Solinho, tanto solinho que faz aqui (e que grande mete nojo que eu sou...)
(Lisboazinha do meu coração, olha que eu estou quase a chegar, vê lá se transferes esse mau tempo para cá, mas só quando eu já estiver aí, pode ser? Quero umas férias cheias de solinho, pleeeeease!)

17.12.08

Ele há dias que não se esquecem!

No dia 3 de Junho de 2007, voltei para Madrid pela segunda vez. No dia 3 de Junho de 2007, devia ter começado uma vida nova. No dia 3 de Junho de 2007, tomei uma decisão muito importante, baseada em mentiras muito grandes. No dia 3 de Junho de 2007, não fui uma puta, mas devia ter sido. No dia 3 de Junho de 2007, eu já gostava o suficiente de vinho verde para não poder voltar atrás. No dia 3 de Junho de 2007, eu trouxe na bagagem uma novela mexicana da qual devia ter aproveitado para fugir a sete pés. Mas... No dia 3 de Junho de 2007, eu (ainda) não sabia que fazia parte do elenco. Ora bolas.

16.12.08

Coisas da vida

Felizmente e apesar destes já vários anos no estrangeiro, poucas foram as vezes que senti na pele atitudes de racismo. Aliás, não foram poucas, foi apenas uma. Aconteceu da segunda vez que me mudei para Madrid. Os rapazinhos que vieram cá mudar o ar condicionado fizeram um estardalhaço à porta de casa, estardalhaço esse que foi rapidamente eliminado, não sei antes eu ter o prazer de conhecer um dos meus vizinhos (somos três por andar). Tinha a porta de casa completamente aberta e comecei a ouvir alguém a reclamar violentamente, alguém esse que resultou ser um velho (muito) mal encarado. Perante a minha explicação de que os moços estavam a levar o ar condicionado antigo para baixo, e que não se preocupasse que ia ficar tudo limpinho, o tipo interrompe-me para começar a gritar que eu não tenho o direito de uso do hall, que o hall não é meu, que se não me sei comportar que agarre as minhas coisas e volte para o meu país. Foi uma situação horrível, nem sei como não lhe parti a cara, acho que foi só mesmo porque ele era mesmo velho. Ainda lhe mandei uns berros e lhe chamei racista, que pagava impostos e cumpria a lei, que não estava aqui ilegal e que se ele estava mal se mudasse. Mas enfim, quem discrimina, discrima, e não se importa muito com a pessoa que tem à frente. Uns meses mais tarde a esposa veio bater aqui à porta a pedir ajuda, que o marido não estava bem, e ainda o vi nu banhado em suor, chamei ambulância e salvei-lhe a vida, que o tipo estava em coma porque tinha tomado duas vezes a dose de insulina, ou qualquer coisa assim do estilo. Nem recebi nem um obrigado nem porra nenhuma. Ele nunca me olhou direito, nem a mim nem ao nosso outro vizinho (que também é português). Acho que lhe fazia mesmo comixão ter de viver no mesmo andar connosco, e sempre o deixou bem claro. Nunca mais lhe falei e muitas vezes fiz impressionantes malabarismos (dignos de competir com os melhores filmes cómicos) para não ter que me cruzar com ele. Hoje a subir no elevador, lá estava um papelinho, "informam-se os amigos e vizinhos que o dito cujo faleceu no dia 14 de Dezembro, bla bla bla. Assim é a vida - acaba. Agora que já não tem portugueses como vizinhos, será que é mais feliz?

11.12.08

Em Roma sê romano

E em Espanha, compra a lotaria de Natal!
Será que é desta?

A vida dela dava um filme

Um, não! Muitos, muitos filmes! Hoje é a estreia the mais um dos êxitos de bilheteira da vida dela: "TwentySix - The Remake!" Muitos parabéns, querida Restelo! Nota Sádica: vou oferecer-lhe a versão espanhola do "Parabéns a Você" quando ela vier por cá! Vai ser liiiiiiiiiindo! Não digam é nada para não estragar a surpresa! :D

10.12.08

A Restelo desafiou-me para mais um desses exercícios tipo auto-psicanálise que me fazem pensar na vida e no que realmente quero dela. Desta feita há que escolher oito sonhos, mas oito sonhos são pouco, muito pouco. Para mim os sonhos são as minhas melhores e mais desejadas ambições. Talvez alguns se mantenham sonhos, se bem que a minha maneira de estar do mundo diz-me que, do que depender de mim, estes sonhos são apenas o ponto de partida para muitos outros. Alguns vejo-os mais fáceis de realizar que outros, mas não escrevo nada aqui que considere impossivel. Anyway, sonhar é grátis. Então 'bora lá, sem ordem nenhuma específica. Estes são os meus. Viver muitos anos e com muita saúde.

Dinheiro: ter o suficiente para não ter de pensar nele.

Fazer umas férias sabáticas na Namíbia, no Noah’s Ark Project.

Sim, quero casar, quero ter um casamento lindo e um vestido de noiva maravilhoso.

Poder: às vezes é preciso poder para querer. Eu gostava de um dia ter o poder de fazer de Portugal um país menos desigual. (E se der tempo, o mundo...) Quero ter uma fundação onde mande eu e ajudar todas as pessoas que me apetecer (e cães e gatos e animais em geral, também).
Sermos cada vez mais felizes os dois (o gaijo e eu), a nossa família e os nossos amigos.
Seja com estes ou com outros sonhos, espero chegar ao fim feliz com a vida que vivi.

O desafio aqui fica, para todos os que lhe quiserem pegar e dar um bocadinho de si.

9.12.08

Cheia de sono

Talvez não tenha sido muito inteligente ficar a ver as Killer Spiders até às 3 da manhã.

8.12.08

Oscar a caminho?

A Pénelope soma e segue. Desta feita, foi a Associação Nacional de Críticos de Cinema dos EEUU que a considerou a melhor actriz secundária do ano pelo seu desempenho em "Vicky Cristina Barcelona". Ou seja, está-se mesmo a ver que vai ser nomeada para os Óscares. Será que é desta que ganha? Depois do Javier Bardem, era ouro sobre azul para o casal e para o ego espanhol, também. A verdade é que ela só melhora, filme após filme. E é linda e inteligente. E o filme imperdível, como qualquer do Woody Allen.

7.12.08

Música dos Hermanos

Melendi, Un violinista en tu tejado

Le pido a la luna Que alumbre tu vida Que la mía ya hace tiempo que ya está encendida. Que lo que me cuesta Querer sólo al rato Mejor no te quiero será más barato Cansado de ser el triste violinista que está en tu tejado. Tocando pa’ inglés siempre desafinado.

6.12.08

Eu já disse que ADORO bravas?

Janta

"Agente" vai tar a enfardar comida espanhola (BRAVAS! BRAVAS! :D) aqui no da foto. Apareçam!!!

Christian

Aviso já que, se alguma vez viver em África, quero ter um destes só para mim!

Visto no Seven Black Cats

5.12.08

Sou uma Scuppie!

Todos nós precisamos de descobrir a nossa tribo urbana, o nosso lugar social. O ensino secundário foi para mim uma tortura, porque dava-me bem com todos, mas nunca fui nem dos betos, nem dos freaks, muito menos dos góticos ou dos desportistas. Hoje, quase que chorei de emoção quando "me vi" no "El País" - sinto-me quase totalmente identificada - sou uma Scuppie!!! (Ou, pelo menos, uma Scuppie wanna be, o que é já um princípio, nesta luta das questões da vida.) Ora vejamos, a descrição é mais ou menos esta: tipo de consumidores fortemente vinculados ao meio-ambiente e à consciência social, a meio caminho entre o activismo hippie e o consumismo yuppie. Os scuppies gostam das coisas materiais e da segurança do êxito financeiro, mas desejam alcançar esse êxito sem esquecer o meio ambiente e a sociedade. Ou seja, não se vão amarrar a uma árvore para manifestar-se contra o aquecimento global, mas também não acham que o dinheiro esta acima de tudo e que todos os meios justificam os fins. Vejo muito de mim aqui, lá isso é certo. Quem estiver interessado tem mais em http://www.scuppies.com/. (Tivesse eu wishlist e o livrinho já estava lá batido...)

4.12.08

Enregelada

É um facto que costumo ser bastante gozada, Inverno após Inverno, por usar meias da neve. Penso que a questão não é (apenas) usar meias da neve. Talvez seja porque as uso para tudo e mais alguma coisa, com a devida excepção de quando estou a tomar banho (alguma vez já me senti tentada a entrar na banheira com elas, só para não passar frio nos meus fragéis e habitualmente gelados pezinhos).
Ora, como toda a gente sabe, as meias da neve NÃO SÃO propriamente um adorno sensual. Pois bem, hoje as meias da neve conhecem novas fronteiras nos meus pés: estou a usar dois - DOIS - pares. E sim, são muito mais feias que as da foto.

3.12.08

Isto é um gato

Quico Espanhol, hibernando entre o colchão e o lençol "de baixo".

2.12.08

Apontamentos de (quase) Inverno

Isto está lindo, está. Ontem já nevou em Madrid. Uma neve miudinha e pequenita, claro, que isto aqui é mediterrêneo. Os ossos partem-se-me e pareço uma velha da montanha cheia de pijamas e pantufas e robes e cobertores e uma conta astronómica do ar condicionado. O regresso de Pescara não foi bom. O meu voo atrasou-se quatro horas e mudaram a porta de embarque quatro vezes. Nunca vi aeroporto tão caótico como o de Roma, parecia que tinha havido um atentado terrorista. Ainda assim, já foi uma sorte o voo não ter sido cancelado, como aconteceu com quase todos os da Alitalia. Obrigada, Iberia. O fim-de-semana foi um misto de dormir muito, comer muitas bravas e falar pelos cotovelos, que esteve de visita uma das minhas amigalhaças para toda a vida (e das poucas que efectivamente se digna a visitar-me em Madrid). Todos os hermanos a quem tive oportunidade de comentar que ontem foi feriado em Portugal ficaram com um granda melão quando lhes explicava a razão do dito-cujo - até passei melhor o dia, sou mesmo mazinha. Acontece o mesmo todos os anos, que eles recalcam a informação passados cinco minutos. Está na hora de começar a pensar nas compras de Natal. Será que é este ano que eu compro uma coisinha que seja antes do dia 23 de Dezembro?

27.11.08

Pescara

Fui a Roma e não vi o papa. Estou aqui na terriola da foto, volto já.

26.11.08

Satisfaction

O dinheiro faz-nos livres, forma profissionais, financia projectos... contrói sonhos. Faz-te estar onde está o dinheiro, leva-te aos que te fazem crescer o dinheiro. Ajuda-te a ser o que queres ser. Leva-te dez anos atrás. Abre-te as portas do mundo. Permite-te ter os que melhor gerem o dinheiro. Dá-te uma segunda lua de mel... ou uma terceira. Permite-te ter um... ou dois. Faz-nos fortes... bonitos!!! O dinheiro não traz a felicidade. Mas ajuda muito. Pois, é mais ou menos isto.

25.11.08

Por falar em Guns n' Roses...

E não é que está muita bom? Quer-me cá parecer que vou pedir um CD de prenda de Natal. Uma maravilha destas não serve para ser meramente comprada.

18.11.08

Desafio Musical

A Picas passou-me o desafio do momento, e lá que é giro, é sim senhora. As regras consistem em colocar uma foto individual nossa, mas eu resolvi pôr um desenho, datado de Maio de 2004, da autoria deste senhor. Depois é só escolher uma banda de eleição - GUNS 'N' ROSES, claro - e responder às perguntinhas com títulos das canções.
1) És homem ou mulher? Pretty Tied Up
2) Descreve-te: Estranged
3) O que as pessoas acham de ti? You're Crazy
4) Como descreves o teu último relacionamento: Yesterdays
5) Descreve o estado actual da tua relação: Patience
6) Onde querias estar agora? The garden
7) O que pensas a respeito do amor? Bad Obsession
8) Como é a tua vida? Welcome to the Jungle
9) O que pedirias se pudesses ter só um desejo? Don't Damn Me
10) Escreve uma frase sábia: Live and Let Die
O desafio segue para mais quatro estaminés, se é que ainda não o receberam por outras vias: RP, Sendyourlove, CS e Nelson.

14.11.08

FINDE (ou como se diz em PT, FDS)

Ainda não foi desta que me propus a alugar um carro com o volante às avessas para tentar praticar esse espectacular desporto radical, the inverse roundabouts. Prometo que quando chegar o dia, tiro fotos. Entretanto, é sexta-feira e prontoS, aqui vou eu para o aeroporto a cantarolar:
Aqui vou eu, para Lisboa...
Aqui vou eu, cheia de larica!
Da chuva e do frio vou fugir,
Vou para o sol da minha vida!
Bye bye UK, see you in a couple of weeks!

Rugas

O post anterior não significa que estou à beira de um ataque de nervos, ou que me vou enfrascar de Valiums, ou que me deu para grandes filosofias sobre a vida, o amor e as vacas. É que estive a ver as minhas rugas dos olhos com um daqueles espelhos que aumentam e pronto, eu sempre tive bastantes rugas de expressão, no entanto acho que elas agora já são só mesmo rugas - sem nenhum eufemismo à frente. Pior, muuuito pior, acho que elas estão a ficar muito botox suitable. Más notícias para as minhas poupanças, que no dia que decidir enveredar por esse tortuoso caminho da estético-dependência, nunca mais volto a sair, que dizem que é pior que heroína. Bem podiam inventar uma maneira do oxigénio continuar a servir para respirar, mas sem oxidar as células, não? É um contra senso, está bem, mas eu sei lá. Inventam tanta coisa, os primos cientistas. Ai ai, a idade não perdoa. Eu bem sabia que a Ragazza estava certa em dizer que deviamos sempre tirar a maquillhagem antes de dormir, mesmo que fossem sete da manhã e que estivessemos assim alegres ao ponto de confudir desmaquilhante com batida de côco. Mas quem é que pensa nisso aos 14? 15? 16? 17? 18? 19? 20? 21? 22? 23? 24? 25? 26? 27? 28? Ah pois, aos 28 sim. Maldita juventude.

13.11.08

Vida

Nascemos para poder morrer, e morremos a cada dia que passa. Vivemos.

12.11.08

Sleeping like a baby...

Sinceramente (e graças a Deus que ele não foi eleito), eu respeito o McCain. Tenho pena que não tenha sido presidente ele em vez de qualquer um dos Bush, que isto é como tudo, há republicanos e republicanos. Vi o discurso pós-derrota, e foi espectacular, foi correcto, foi humilde. Os políticos portugueses bem podiam tentar aprender alguma coisa, para variar, que em Portugal nunca ninguém perde as eleições. Também gostei da maneira como ele defendeu a Palin, que até pode ser o diabo, mas o que lhe estão a fazer (principalmente os do partido dela), também não é propriamente bonito. E é interessante que ser mulher nestas coisas só ajuda à festa, neste caso torna-a num alvo ainda mais fácil. Parece que agora, de repente, todos os americanos são todos muito cultos e muito pró-direitos humanos e toca de espezinhar a bimba da Sarah. Sinceramente, parece-me que muitos, independentemente da sua orientação política, levaram à letra essa mais que fabulosa frase "Mais vale preto que mulher!". Depois de encostarem a Hillary à box, a Sarah não podia sair melhor desta história toda. Raios os partam, que as opiniões da senhora até me dão calafrios, mas sinceramente, é preciso ser-se filho da puta, que há coisas que não se dizem, ponto. Anyway, e voltando ao McCain, ele foi um excelente candidato presidencial, e sinceramente, não fosse a crise ter-se agudizado e não sei se era este o filme que estamos todos a aplaudir. Ainda por cima, o sacana tem piada, é bem parecido, e trinta por uma linha. Que tenha uma vida feliz, que ele ainda não sabe, mas teve uma sorte do caraças em ter perdido.
"... sleep two hours, wake up and cry, sleep to hours, wake up and cry..."

5.11.08

Há pessoas com visão...

"I believe that banking institutions are more dangerous to our liberties than standing armies. If the American people ever allow private banks to control the issue of their currency, first by inflation, then by deflation, the banks and corporations that will grow up around the banks will deprive the people of all property until their children wake-up homeless on the continent their fathers conquered."

Thomas Jefferson, 1802

4.11.08

Porque todos os votinhos contam!

(Eu continuo a ser pró-Hillary, que fique claro. Mas do mal o menos. O McCain até parece um tipo razoável, mas é republicano e velho e ex-combatente. O Obama é democrata, tem nome de terrorista e é preto - bom, mulato. São muitos preconceitos que parece que se deitam abaixo de uma só vez...)

3.11.08

Cheira bem!

De volta a Madrid, passeando pelo Corte Inglês...

Já cheira a NATAL! :)

(Sim, apesar do consumismo exacerbado, das luzes e enfeites cedo demais, da típica hipocrisia natalícia e blá blá blá... mas é que eu adoro o Natal, adoro andar a magicar o que vou comprar e a cara das pessoas quando virem, adoro o ambiente frio e seco, e as castanhas, tudo a encaminhar-se perfeitamente para esse lindo serão em frente à lareira na casa da Golegã. Eu A-D-O-R-O o Natal!)

31.10.08

Os ingleses são mesmo...

... INGLESES!!!! O meu tutor aqui do UK todos os dias dá umas risadinhas muito educadas e discretas (mas cheias de intenção) às minhas custas. Não há vez nenhuma em que esteja a entrar para o carro, que não oiça um divertidíssimo e bem cantarolado "You're not driiiiiiiiving!" Depois ainda vou a viagem toda a suar: parece que vamos sempre em contra-mão, ultrapassamos constantemente pela direita, e o pior de tudo- as mudanças metem-se com a mão esquerda! Raios, detesto ser pendura.

30.10.08

Detalhes

De repente, noutro mundo, outras prioridades. Esta coisinha, agora, é a minha melhor amiga.

29.10.08

Algures na semana passada

Uma espanhola um pouco pindérica mas de aspecto simpático, na recepção do hotel: - “Time close pizza hut?” (Muito mal pronunciado como só um hermano, eu é que já tenho o spanglish nas entranhas e percebo tudo.) Responde a da recepção (que fala inglês, francês e com sorte dutch, mas é pouco simpática e algo seca): - “I’m sorry?” (De boca aberta e extravasando desdém…) A espanhola repete três vezes as palavras close, pizza hut e time, sem sombra de ordem lógica, verbos, construção frásica ou cadência interrogativa. Claro que neste ponto já estamos todos a bufar. Quando estou quase a intervir, qual salvadora de uma hermana em apuros, ela dá-se conta da figura que está a fazer, dos alemães trocistas a rirem baixinho, do empregado oriental de boca aberta e, como boa espanhola que é, não fica envergonhada, não, qual quê, fica ofendida, é o que é, e larga um agressivo “hablo español”! Ora portanto. Pois. Isso de falar espanhol é muito fixe, mas é que estás em Bruxelas, darling, e ao contrário do que provavelmente julgas, o espanhol NÃO é uma das duas línguas oficias que se falam na “capital” da UE. É que na Bélgica, dos espanhóis, não ficou grande herança, tal foram as boas memórias deixadas... A da recepção, que também se devia estar a fazer de songa monga, ilumina-se (deve-lhe ter cheirado a livro de reclamações) e de repente já percebe tudo. Entendem-se as duas e lá vai o casal de espanholitos todos contentes à pizza hut (não há povo mais pelintra que o espanhol, for God's sake). Conclusões: - Não há subsídios para cursos de inglês que valham: o espanhol (principalmente o de castilha) tem um defeito genético na língua e não há nada que se poda fazer contra séculos de selecção natural. - Os centro europeus continuam uns filhos da puta, com a sua atitude condescendente face ao sul da europa, com o seu tom de voz comedido e a sua boa educação, que lhes permitem esconder aos olhos da maioria a desconsideração que sentem pelos estrangeiros em geral. - No fim de contas, a maioria até merece rumar ao sul e que ninguém mexa um dedo para falar inglês. Os espanhóis têm o valor de ser arrogantes “apesar” de serem mediterrânicos. Nós tugas somos muito simpáticos e subservientes, mas isso serve-nos exactamente de quê? - Os ingleses têm uma sorte dos diabos, pois ainda são piores que os espanhóis no que a idiomas diz respeito, mas... toda a gente fala a sua língua. C’est la vie (e não, não é justa).

26.10.08

Igualdade

Um dia, mulheres incompetentes também vão ocupar postos de responsabilidade.
Hoje é o dia.
Cristina Fernández de Kirchner, presidente de um país à beira da insolvência, decidiu nacionalizar os fundos de pensões privados, que têm um valor aproximado de 10% do PIB. Ai, esta Argentina que não se endireita...

24.10.08

De malas e bagagens!

- Ontem – Madrid - Hoje – Bruxelas - Amanhã – Lisboa - Domingo – Londres Vai-me dar uma coisinha má!!!!!!!!!!!

21.10.08

Eu, pecadora, me confesso

Estou mega hiper feliz e puramente materialista, esquecida de todos os males do mundo e totalmente deslumbrada com o maquinão que tenho à porta de casa. Hoje não há gatinhos abandonados que me valham, até me sinto esquisita por estar tão babada com algo tão banal como um automóvel (mas lá que ele é bonito...)!

Eu juro que nem sou nada materialista...

... mas é ou não é lindo? :) Estou que nem posso!

20.10.08

Los americains et moi

Entre as particularidades de trabalhar para uma empresa americana, gosto mesmo muito do rigos de procedimentos e da política corporativa apurada. A parte chata são os 50 cursos online de segurança, ética, gestão da informação e código de conduta que há que fazer no primeiro dia. A parte boa é que eles fazem o que te dizem que vão fazer. Um plano de formação é mesmo um plano de formação, reciclagem de resíduos é mesmo reciclagem de resíduos, mandarem-te para a rua se fazes merda é mesmo mandarem-te para a rua se fazes merda. Gosto disso. Vou fartar-me de trabalhar, mas estou rodeada de gente competente. Para começar, não está nada mal.

19.10.08

Dia 20 muda tudo

Amanhã começo num emprego novo. Estou confiante. Estou excitada. Estou feliz.

9.10.08

Ainda a procissão vai no adro

A economia mundial está à beira do colapso, até o petróleo está outra vez "quase" barato, e incrivelmente há uma coisa boa em tudo isto. Os democratas ganham terreno e parece que os americanos finalmente decidiram cortar as vazas aos republicanos. Tudo graças à crise. Espero é que quando o Obama suba ao trono, ainda haja algum dinheiro no banco.

8.10.08

Há por aí alguém que sinta o mesmo?

Acho que sofro de um desajuste geracional que se acentua mais com o passar dos anos. Eu nasci em 1980. Não sinto nada nas veias aquele discurso da malta que nasceu nos 70 sobre a grande experiência que foi terem sido jovens nos 80, e como os 80 foram mágicos (apesar de pimbas até dizer chega). Eu fui jovem nos 90 e acho que foram anos acaracterísticos, não houve propriamente um mote, foram tudo bocados das outras décadas remisturados com o medo do ano 2000 e a expectativa do bug do milénio que ia destruir o sistema financeiro (e portanto, o mundo). Por seu turno, os da geração a seguir paracem-me autênticos ETs, têm aquela linguagem do messenger que eu já não fui a tempo de aprender (logo, sou uma velha). Depois, matam-se se não têm hi5 e cinco milhões de fotos bué pessoais expostas assim sem mais por toda a rede, e claro, não têm a mínima ideia que www significa world wide web, ou que houve um momento, não há muito tempo, em que ter um computador significava um rombo muito importante no orçamento familiar. Às vezes, sinto-me um bocado perdida.

6.10.08

O mundo "Cor"

Tanto tempo em Espanha e ainda tanto para aprender. Ontem descobri que essa entidade sagrada, o Corte Inglés, é dona, além do Hipercor e do OpenCor, do SuperCor e do "Supermercado do Corte Inglés". Ah, a lógica fez-me acreditar que "SuperCor" é um diminutivo de "Supermercado do Corte Inglês"? Azar. Não é. São coisas COMPLETAMENTE diferentes. Toca a guardar o vale-desconto que a menina da caixa continua a olhar com ar de superioridade, como se fosse a coisa mais idiota do mundo achar que "SuperCor" é a mesma coisa que "Supermercado do Corte Inglês". Xiça, às vezes penso mesmo que é preciso mestrado em cultura espanhola para se viver neste país. Eu juro que na Bélgica estas coisas não me aconteciam. E isso que havia o maravilhoso dutch à mistura. PS1 - Ok, na Bélgica eu dava os descontos todos à senhora da caixa (que em vez de ser uma jovem pintada e arrogante como aqui, era uma senhora de meia idade fofinha e prestável) e ela escolhia os que aplicavam. Às vezes é bastante conveniente não saber um idioma. E poupa muita discussão. PS2 - Também é conveniente ser jovem e estudante e serem os papás a fazerem as compras e a preocuparam-se com essas coisas das "contas". Ah, bons velhos tempos...

5.10.08

Este blog teve de férias! Um mês inteiro, que sorte! E simplesmente, porque lhe apeteceu! :)

6.9.08

Wall-E

Pode parecer um lugar-comúm, mas não é - é a mais pura realidade: estou totally in love pelo Wall-E!!! Adoro-o, é um fofinho, o jeitoso mais querido do mundo e arredores!!! Venham os Oscars!

2.9.08

A foto que faltava

Este fim-de-semana, na ausência de Sudokus, consegui a foto que faltava nesta brilhante sequência. :)

31.8.08

Ainda os jogos...

Como eu referi neste post, não fossem os jogos olímpicos e a comunicação social tinha-se lixado à grande neste Verão, sem incêndios florestais ou catástrofes mundiais de maior monta. É que, realmente, para falar basta abrir a boca.

Eu que nunca fui grande seguidora dos jogos e que tentei com todas as forças ignorar as notícias na semaninha que estive em Portugal, não consegui mesmo assim fugir de todo o alarido que se gerou em torno dos resultados e, sobretudo, em torno das declarações dos nossos atletas (algumas bastante infelizes, há que dizê-lo, mas enfim, também é certo que é preciso curso superior para saber falar com a imprensa).

No entanto volto ao tema, porque esta semana descobri uma sequência de artigos muito elucidativos. Pode-se concordar ou discordar, mas é inegável que pelo menos alguém resolveu informar-se antes de começar a crucificar os desportistas lusos. Ora, isto vale ainda mais a pena ler, tendo em conta que os orgãos de informação oficiais, que tanto enchem a boca para falar de serviço público, estão sem dúvida interessados em vender, mas não em, efectivamente, informar. Pena que não tenham competência para fazer as duas coisas ao mesmo tempo.

No entanto, há gente diferente por aí. Há mais mundos, né? Felizmente, há também gente que pensa, em vez de se limitar a seguir o rebanho.

29.8.08

Causa e efeito

Então é assim. Estudos muito científicos (sem dúvida muito mais científicos que aqueles dos anúncios a pastas de dentes), realizados por mim ao longo dos últimos cinco anos, recorrendo a uma amostra extremamente diversificada de amigos e conhecidos, mostram que existe uma correlação inequívoca entre a compra de uma Bimby e o aumento populacional. Em 95% dos casos, esse aumento expressa-se na forma de um ser pequenito, enrugado e chorão, que vem ao mundo aproximadamente 9 meses depois da aquisição do dito utensílio.
PS - Sim, Lilith, a boca vai direitinha bater à tua porta! :)

27.8.08

Portugal, Portugal...

Hoje mandaram-me por correio um artigo de Mario de Queiroz publicado há mais de quatro anos em ipsnoticias.net, que pode ser consultado na íntegra, por exemplo, aqui. As coisas não mudaram muito, e é interessante verificar que sim, é mais fácil fazer análises frias quando se vê a coisa de fora. Cada frase é uma punhalada no coração de qualquer patriota, principalmente porque é tudo verdade, bate tudo certo, não há por onde fugir da evidência (neste caso não da ciência, mas das estatísticas). Transcrevo o fim, com o qual concordo em absoluto. E pergunto-me: porque é que ainda não se fez nada relativamente a isto? Nem vou pensar na resposta, porque me magoa ainda mais admitir que o maior cancro de Portugal, são, nem mais... os portugueses. Os que nada fazem para que as coisas mudem, os que reclamam mas nada fazem para que as coisas mudem e os que permitem que nada se faça para que as coisas mudem. Bonito mas triste jardim à beira-mar plantado, o meu Portugal! "Si un país permite que un profesional liberal con dos casas y dos automóviles de lujo declare ingresos de 600 euros por mes, año tras año, sin ser cuestionado en lo más mínimo por el fisco, y encima recibe un subsidio del Estado para ayudar a pagar el colegio privado de sus hijos, significa que el sistema no tiene ninguna moralidad."

25.8.08

Saudadinhas das vacaciones...

... mas já??? Ora pois claro que já! Aposto que não sou a única... Felizmente, tenho um revigorante emocional que me consola, vêm aí mais uns diazinhos de descanso em Setembro.

Ora vejamos: "Praia grande?" Nem por isso. Mas é a maior de Porto Covo. Que é como quem diz, as gentes do antigamente não iam nem sequer até São Torpes dar um passeiozinho. Sendo assim, acho que esta praia deveria chamar-se a "Praia maior" ou até mesmo, "Praia mais grande". Muito mais cool. Aqui está mais uma prova que os alentejanos são gente especial. Em relação a esta ilha, mais outra imprecisão histórica ou sinal de estupidez absoluta, caso alguém tenha efectivamente plantado um pessegueiro naquele monte de pedra cheio de caca de gralhas. Anyway, existe lá uma sereia esculpida em relevo por alguém muito sobrado de tempo (coisa feia que vale a pena ver para rir um bocado, afinal a ilha, supostamente, é paisagem protegida). Infelizmente, em climas áridos, as esculturas duram mais que os pessegueiros. Até parece mentira, mas o pobre forte está finalmente a ser recuperado, depois de décadas a servir de cagadeiro dessa mui nobre raça, os campistas selvagens. Mais dez anos e aposto que tem uma plaquinha a dizer "Bem-vindos" (mas mal escrito). Este ano foram só surpresas, com tanto desenvolvimento não sei onde é que este país vai parar! A praça do Marquês tem chão novo!!! Pude andar de saltos altos sem partir um pé!!! Gatinhos de Porto Covo, que onde vai a Margarida há sempre gatinhos agradecidos pelas belas e saborosas latitas que lhes levo! Aaaaaaaaaah, é tão bom não fazer nada, é tão bom ter tempo para fazer fotos desfocadas do sol!!! A menina a apanhar banhos de sol... a bem da verdade devo confessar que isto era suposto ter sido uma foto de dois seres apaixonados, romanticamente abraçados a olhar o horizonte... o problema é que "ele" passou o tempo a bombar Sudokus. Parvo!

24.8.08

Os jogos

E depois de tanta controvérsia eis que terminam os jogos. Confesso que não acompanhei, só gosto mesmo de ver a ginástica e com o fuso horário dava sempre a altas horas da madrugada. Além disso nunca concordei com a decisão de realizarem os jogos na China e só por isso já não senti grande entusiasmo. Mas foi gira esta novela do grande povo português ofendido com a escassez de medalhas (mas desde quando é que nos convencemos que somos uma potência mundial do desporto?). No fundo acho que as famosas desculpas de alguns desportistas só mostram que eles são uns fofinhos... em Verão de poucos fogos e com um(a) líder da oposição menos espalhafatoso do que vem sendo hábito, que teria sido da comunicação social se não fossem as brilhantes declarações dos desportistas da casa? Posto isto, baralhando e voltando a dar, o que mais gostei destes jogos foram os bonequinhos giros com que a Google nos brindou ao longo destas duas semanas. Venham os próximos...

20.8.08

Do que se fala hoje...

... do acidente, claro. Quando comecei a ver as notícias, eram sete mortos. Agora, são quase todos. Os acidentes de avião conseguem sempre ter esse quê que nos dá cabo da racionalidade. Pode ser o meio de transporte mais seguro. As estatísticas provam-no. E então? É verdade que não vou deixar de andar de avião, como também não deixo de andar de carro ou de sair á rua "só" porque há gente que morre nos seus carros e nas suas ruas. Mas custa, e ainda custa mais por a coisa se passar aqui, tão perto, neste aeroporto que tão bem conheço e nesta pista de onde tantas vezes descolei. Medo de voar? Não. Medo de morrer.

19.8.08

Regresso...

... ao planalto madrileno, para concluir que foi muito boa opção ter passado uma semaninha em Portugal sem prestar atenção alguma às "notícias". Foi uma semaninha muito bem passada, entre a areia da praia, a água gelada (tinhamos de ter ficado com o pior lado da península, claro), as jantaradas de grelhados e peixe fresco e as taças gigantes da gelataria do Marquês. Este Verão não tem havido incêndios decentes, pelo que os jornalistas estagiários andam deprimidos, eu percebo, coitados, não podem andar a fazer reportagem com labaredas de 30 metros atrás deles nem perguntar a pessoas chamuscadas "como é que se sentem" por estarem ver a sua casa a arder. É uma chatice. Houve aquela notícia do assalto do BES, essa não pude evitar porque fui bombardeada assim que cheguei à terra, mas vim de carro e doiam-me as costas, nem me apeteceu discutir com as gentinhas que começaram imediatamente a discriminar todo o povo brasileiro de enfiada, que é tão fácil discriminar os que não estão na terra deles. Depois ainda os ciganos e a Georgia e as olímpiadas, que tristeza, uma pessoa não sabe se há-de rir ou chorar. Isto foi tudo descoberto nas últimas duas horas a ver blogs e notícias. Claro está, mais valia ter ido dormir uma sestinha, que bem preciso. A propósito, fiz anos no dia 14 de Agosto. Resumindo: semana espetacular, ainda que tenha regressado com mais 1,5 Kg. Isto volta ao sítio num instante. Ou não vivesse eu rodeada de espanholas asquerosamente magras.

8.8.08

ESTOU DE FÉRIAS!!!

Olé! :D

Considerações de Pré-Férias

Deste lado da fronteira já morreram 37 mulheres este ano às mãos dos seus maridos, namorados ou ex-companheiros sentimentais. Aqui isto costuma chamar-se "violência machista", uma expressão criticada por alguns mas que expressa uma realidade social: são quase sempre "elas" as vítimas, e "eles" os maltratadores. Comentava um senhor na televisão: "37 mujeres en lo que va de año y Agosto aún está empezando..." Aquilo chamou-me a atenção. Não é que Agosto é o mês em que há, ano após ano, mais mulheres são assassinadas pelos supostos "homens da sua vida"? A explicação? "Ao aumentar o tempo de convivência familiar, aumentam também os conflitos domésticos..." Eu flipo. Agosto, para mim, sempre foi o melhor mês do ano. Estou aqui a contar os minutos para ir de férias com os "meus". E para muitas mulheres e muitas crianças, é simplesmente o mês pesadelo, onde tudo pode acontecer, e normalmente acontece sempre. É muito triste viver assim. Tenho muita sorte de ser tão feliz.

7.8.08

PO-DE-MOS!! (YES, WE CAN!)

__________Puede ser, que me haya equivocado una y otra vez, __________Pero esta vez es cierto que todo va a ir bien, __________lo siento aquí en el pecho y en tu cara también... __________Y debe ser, que pienso igual que ayer pero del revés __________Todo se be mas claro, más facil no sé, __________las cosas se van ordenando solas... sin querer, __________Y dicen que, si una puerta se cierra se abre otra no sé __________Más grande, más bonita y más facil que ayer, __________Más facil que ayer... __________Y esta vez en canvio de una puerta viene un ventanal... __________Muy sólido, muy fuerte y con vistas al mar, __________Con vistas al mar... __________Y puede ser que me equivoque otra vez __________Y puede ser que vuelva a perder,
Pero la vida me dice
que me toca a mi
eso de sentirme bien!!!

4.8.08

Confidências light...

... que estamos no Verão e os meus neurónios só pensam em siesta...
Eu DETESTO sabrinas...
... e ADORO cerejas!!!

Não tem nada a ver, pois não? :)

3.8.08

Prémio! Prémio!

O Ervi, fofinho as usual (ai, o que os homens gostam que os tratem assim), resolveu dar prémiozinho aqueles blogs que "poucos ou nenhum têm", o que é claramente o caso aqui do Há Mais Mundos, vítima preferencial da sua dona desleixada e pouco interactiva. Acho que é o segundo prémio que recebo (o que é claramente vergonhoso, até os blogs de meninas de cinco anos sobredotadas estão repletos destas mariquices). É mesmo o segundo, o primeiro está aqui, e data de há já bastante tempo. Portanto, já posso oficialmente dizer que o estaminé tem prémioS. Sim, no plural... (God, como se nota que estamos na silly season, só digo parvoíces!)

2.8.08

Os gatos da minha vida (#6)

Como eu e o gato Suances gostamos muito de receber, este fim-de-semana temos uma hóspede de três semanitas aqui em casa, muito brincalhona e espevitada (quer dizer, quando não está a dormir ou a tomar o biberão). Aqui fica uma foto da Pequenutas. :) Nota: outra que não morreu no parque de estacionamento onde a encontraram, basicamente, porque não calhou. Ou melhor, porque ainda há quem prefira ter uma carga de trabalhos a, simplesmente, virar as costas e ignorar.

28.7.08

Gulosa atómica!!!

A praia, o sol, a água gelada, o sal, os jantares longos e as noites intermináveis, a areia quente e a água salgada, o cheiro a mar, os "meus" gatinhos de Sines e os meus amigos que agora vivem em Sines...
O fim-de-semana foi mesmo muuuuuuuuito bom, mas o melhor dos melhores, o momento supremo de prazer guloso e descontrolado foi mesmo... o reencontro saudoso com a Taça Marquês, quatro bolas de gelado maravilhoso e montes de fruta e montes de natas hipercalóricas! Sou uma gulosa irremediável! Não há nada que possa fazer. :) Nota importante: Tive ajuda de um guloso como eu, felizmente não estou sozinha neste vício arrebatador! Foi um deleite a dois...

24.7.08

Ai que chatice...

... não é que deste lado da fronteira, amanhã, é feriado?
... não é que tenho um voo dentro de três horinhas?
... não é que vou dormir mesmo bué?
... não é que amanhã a esta hora (ainda) estou na praia?
... não é que segunda-feira não trabalho?
... não é que estou a ser um bocadinho mete-nojo? :D
Mas é porque estou mesmo MUUUUUUUUUITO contente!
Se faz favor, toca tudo a ficar contente comigo! :) E bom fim-de-semana!

23.7.08

Este fim-de-semana...

... pode não haver pessegueiro na ilha, mas seguramente, haverá Margarida na praia!!!!

20.7.08

Esta noite...

... noite de luxúria e perdição no casino de Madrid.... sem comentários... what happens in Gran Madrid, stays in Gran Madrid... :)

19.7.08

Operação Bikini

Porque passei o Inverno com anemia e porque ser badocha não está com nada (e ser badocha em Madrid é um conceito algo distinto ao de ser badocha em Lisboa), ando desde Abril a seguir um programa de reeducação alimentar (vulgo dieta), mas uma coisa a sério, bem feita, com controlo, com tempo e que me está a custar os olhos da cara. Mas ter de pesar-me à frente da médica de duas em duas semanas é um método infalível, pelo menos para mim, que tomo como ponto de honra fazer as coisas que me comprometi a fazer. Alem disso já está a dar resultado, porque pouco a pouco vejo que estou a adquirir certos hábitos essenciais e que não devem depender de estar ou não a fazer dieta. Por exemplo: - cozinho quase tudo grelhado (fritos banidos, excepto qdo vou comer umas bravas!) - já sei fazer saladas das quais gosto, adoro alcachofras e beringela e rúcula (nunca pensei vir a adorar vegetais!) - o jantar é para ser light, não é para enfardar! - comer seis refeições por dia, nos horários mais certos possível. - beber toneladas de água. Claro que há mais coisas, mas de facto o melhor mesmo é mudar os hábitos, porque senão uma vez finda a dieta volta tudo ao mesmo. E podem-se comer coisinhas boas e docinhos, não pode é ser todos os dias!!! Mas acho que compensa. Além de já não estar anémica e portanto ter muito mais energia, sinto-me muuuuuuuuuito melhor com o meu corpo. Ontem fui aos saldos e comprei montes de roupa S! :) Lembram-se daquele anúncio em que a menina gritava "Serviiiiiiiiiiiiiiiiiiu!" É, pois, foi mais ou menos isso, e sem ter de comer aqueles cereais sensaborões!!!!

18.7.08

Que no te acompleje el inglés!

Esta semana, o Santander foi eleito o melhor banco do mundo pela revista Euromoney. E para provar que isto do falar bem inglês a alguns não lhes preocupa, o video do presidente, Emilio Botín, que mesmo com o seu sotaque cómico e macarrónico, não deixa de dar umas boas lições à banca mundial. "Se não conhece perfeitamente um instrumento, o melhor é não comprá-lo. Se pensa que não devia comprar um determinado produto, não deve tentar vender esse produto. Se não conhece muito bem os seus clientes, não lhes empreste dinheiro." E ainda finaliza em tom jocoso: "Se segues estes três conselhos, serás melhor banqueiro, meu filho..." Et voilá, quem sabe, sabe!

15.7.08

Perdi.

I don't know what you're looking for you haven't found it baby, that's for sure You rip me up and spread me all around in the dust of the deed of time And this is not a case of lust, you see it's not a matter of you versus of me It's fine the way you want me on your own but in the end it's always me alone And I'm losing my favourite game you're losing your mind again I'm losing my baby losing my favourite game I only know what I've been working for another you so I could love you more I really thought that I could take you there but my experiment is not getting us anywhere I had a vision I could turn you right a stupid mission and a lethal fight I should have seen it when my hope was new my heart is black and my body is blue And I'm losing my favourite game you're losing your mind again I'm losing my favourite game I've tried but you're still the same I'm losing my baby you're losing a saviour and a saint!!!

9.7.08

Os gatos da minha vida (#5)

A minha relação com os gatos é, do ponto de vista da maioria das pessoas, desequilibrada e algo doentia. Também, nunca pretendi afirmar-me como alguém "normal" e compreendo que faça um bocado de confusão a muita gente que eu, quase que por princípio, tenha mais consideração por um gato de rua magricela e piolhoso que pela humanidade em geral. É estranho e algo desconcertante, mas enfim, que fazer? Gosto dos bichos. Gosto deles ao ponto de parar o carro onde quer que seja (onde quer que seja *mesmo*) para ir socorrer um animal, que normalmente está morto e esventrado. Como se não bastasse, depois ainda o meto num saco e trago-o no porta-bagagens até onde o possa depositar, que o pobrezinho não merece ficar a decompôr-se ali na estrada ad eternum. "Ai, que nojo, esta gaja é marada e tal...", pensarão os poucos que vêm aqui parar por acidente e que, seguramente, depois disto, não voltarão. Mas é a vida, e eu sou assim. Esto es lo que hay.
O gato da minha vida de hoje é a Farrusca. Gata que nunca foi minha e com a qual nunca privei tanto quanto gostaria. Mas lá está, ela era da família e uma pessoa habitua-se a que a família esteja sempre lá. A Farrusca é um bom exemplo de como todas as pessoas deviam tratar os seus, na saúde e na doença, até que a morte os separe.
Já há muito tempo se sabia como seria o seu fim. A insuficiência renal, mais tarde ou mais cedo, teria o único desenlace possivel. A família da Farrusca fez tudo o que pode ao longo dos anos. Os últimos meses, penosos, consistiram em visitas diárias ao veterinário para injecções de soro. Os dias anteriores ao seu adeus, digno e sem sofrimento, foram necessariamente tristes e revoltados.
A Farrusca, sendo um gato, teve o amor, a atenção e o cuidado que muitos humanos nunca recebem dos seus. Não há vergonha alguma em considerar um animal como um membro da família, mesmo quando as pessoas "normais" ridicularizam as que, como eu, assim o consideramos. Pessoas como eu, não há poucas. Infelizmente, das outras, há muitas mais.
A Farrusca foi muito feliz.

6.7.08

Parvoíce máxima

Numa tarde de domingo da silly season, nada melhor que responder a um desafio igualmente light e descontraído, passado pela Restelo. :) 1 - Restelo 2 - Victor 3 - Joana 4 - Bartolomeu 5 - Liliana 6 - Ricardo 7 - Beta 8 - CS 9 -André 10 - Luazinha Como encontraste o 4? Quando, aqui há uns anos, fizemos parte da corja associativa do IST! O que fazias sem o 6? Coisas, pá, fazia coisas. O que fazias se o 2 e 3 fossem namorados? Pedia-lhes que chamassem Margarida à sua primeira filha, eh eh. O que fazias se o 5 confessasse que te ama? Fugiamos as duas para L.A. ao melhor estilo "The L Word", fuck men, etc. etc., copos e tal, que somos umas malucas! Quem é o melhor amigo do 2? Hum... acho que é o irmão dele (mesmo que ele diga outra coisa). Tens saudades do 1? Siiiiiiiiiim, :) muitas, e pelo andar da carruagem só nos vemos outra vez no Natal! Vidas de emigras... Quem é o namorado do 10? Boa pergunta! Ó Luazinha, desbronca-te lá, vá! :) O que pensas do 9? Acho que é um bocado parvo! (No "bom" sentido, ok? Farto-me de rir ao pé dele!) O que fazias se 8 e 7 fossem namorados? Ia-me sentir muito casamenteira, porque nesse caso tinham-se conhecido graças a mim! Já dormiste no mesmo quarto com alguns desses números? É pá, isto é muito "Hola", por favor. Não passo isto a ninguém porque é mesmo muito idiota. Restelo, só te perdo-o porque estás doentinha, ouviste? :D Vê lá se animas que é Verão!

Há mais mundos

Pois há, há muitos mais mundos! E ali à esquerda já estão alguns... (Eu sou uma desgraça, ando para fazer isto há mais de um ano...)

3.7.08

Still my favourite song

Estrange - Implies the development of indifference or hostility with consequent separation or divorcement.

When I find out all the reasons... Maybe I'll find another way Find another day. With all the changing seasons of my life Maybe I'll get it right next time! And now, that you've been broken down Got your head out of the clouds You're back down on the ground. And you don't talk so loud An you don't walk so proud Any more, and what for?

2.7.08

La tortura

Eu sei que os apoiei...
Eu sei que vibrei com eles...
Eu sei que desejei genuinamente que ganhassem aos ranhosos dos alemães...
Mas já não os posso mais ouvir! Que chatos do caraças! São piores que os benfiquistas... tanto tempo sem ganhar a ponta dum corno e de repente são os maiores e vão ganhar todos os torneios dos próximos 150 anos...
Isto é uma tortura, a sério. Até aqui, pelo menos, sempre tinha aquele gostinho do "ao menos nalguma coisa nós ganhamos sempre à Espanha". Agora? Agora, biquinho calado que à mínima coisa arrisco-me a ouvir um trocista "cuantas eurocopas ha ganado Portugal?"
Uma chatice... ainda por cima, os sacanas estão a jogar mesmo bem... e são número um na FIFA... Ok, admito, isto é dor de cotovelo da mais pura e indigna. O que posso mais dizer? O Afonso Henriques que vive dentro de mim é mais forte que eu...

25.6.08

Uma história simples de contar

"O João Maria é pintor. Um belíssimo pintor. Que até expõe e tudo. E nós sentimo-nos tão orgulhosas de ser amigas do João Maria. [Photo]O João tem que ser operado às cataratas. Podia acontecer a qualquer pessoa. E dava um jeitaço ao João que este problema nos olhos não o condicionasse a fazer o que mais gosta: pintar.Mas...O seguro de saúde do João, a Médis, diz que não cobre as despesas desta operação. E não quer saber que o João Maria seja um doce e um pintor nato. Recusam-no a fazer, apenas porque o João Maria tem Trissomia 21. Desafio:Todas as pessoas que têm seguro na Médis cancelarem o mesmo e alegarem como razão o caso do João Maria. Um jornalista quer denunciar este caso sem expõr o João Maria e sem apelar para a peninha de ninguém, reforçando apenas que os portugueses também se podem unir em torno de uma causa, mais importante que o futebol. Então, quem cancelar o mesmo pode, por favor, denunciar aqui no blog a sua intenção?Este é que é um verdadeiro desafio blogosférico. Passo a todos. " Post copiado do blog Próxima-Estação. Postem isto, mandem e-mails, mostrem que é possivel fazer a diferença. Se faz favor.

18.6.08

Uma pessoa está sempre a aprender

Xarope, em espanhol, é jarabe. PS -Que bodega de palavra. Xarope para a tosse, que tou que não posso. E como é que se explicam estas cenas numa farmácia? Jarabe?? Jarabe?? Bolas!!!

17.6.08

Racionamento sim, mas...

Ora vejamos: na semana passada, quando me dirigi calmamente ao supermercado depois do trabalho - naquela de aproveitar as compras como momento zen do dia - deparei-me com uma situação que teve tanto de cómico como de assustador. A espanholada estava toda louca a encher carrinhos de compras, como se não houvesse amanhã. Ele eram velhos, novos e gays, tudo quase à estalada e com os nervos à flôr da pele. Sinceramente, não imaginei que esta história da greve dos transportadores causasse tanta celeuma, mas aparentemente sim, parecia que todos se estavam a preparar para uma guerra civil. Todos menos eu, que tinha o frigorifico tão vazio que fazia vácuo. Lamentavelmente não pude comprar metade dos itens da minha modesta listinha. A escassez era geral, mas havia umas coisinhas que, pura e simplesmente, já não estavam lá. Nada. Nem uma embalagem ranhosa e amassada para amostra. Não havia: - leite magro - maçãs - saladas - carne branca - "mini-breaks" - papel higiénico Conclusão: racionamento sim, mas nada de brincadeiras, que a operação bikini tem prioridade!!! O que é que interessa que não haja comida? Ou se come saladinha com bifinho de peru grelhado ou então o melhor é passar fome. Eu aproveitei a desculpa e trouxe uns filipinos. :) Quanto ao papel higiénico, está provado que é um bom negócio. Ninguém quer limpar o rabo com guardanapos. Nem mesmo eu, que no dia seguinte lá me vi forçada a roubar um rolo no meu trabalho. E pronto, assim se vive em Madrid, com o rabinho bem limpinho e suave e sem nunca descuidar a dieta! Olé!

15.6.08

Será que é desta?

Faz sol em Madrid. Não está calor, mas está quentinho. Três dias seguidos de bom tempo. Inacreditável. Se continuar assim talvez me passe a neura. Quando guardar definitivamente a roupa de Inverno, acho que me volta a inspiração e volto a tentar escrever alguma coisa de jeito.

9.6.08

É a puta da loucura!

No domingo estive rodeada de portugueses como nunca antes nas minhas estâncias no estrangeiro. Éramos talvez duzentos na discoteca do Moma, todos a apoiar Portugal. Malta a cantar o hino muito bem, malta a fingir que cantava o hino, malta no bar a pedir cerrveja porque não sabia a letra do hino. Malta de Lisboa, do Porto, do Norte e do Sul e das Ilhas. Um monte de sotaques todos misturados, fruto das diferentes cidades onde cada pessoa já tinha passado alguns anos da sua vida. Todos a gritarem "Goooolo!" de cada vez que a bola passava a 3 metros da baliza! No fim, todos a rirem com a vitória, com o gostinho do 2-0 do último minuto, com a promessa de um título que possivelmente não vamos ganhar... mas que se foda, futebol é isto mesmo, se não der para sonhar um bocadinho serve para quê? Amanhã é o 10 de Junho, é Inverno em Madrid e vou comer uma feijoada com cem pessoas que não conheço. Porque isto é ser emigrante, pode ser pindérico mas é precioso e eu já sentia falta deste patriotismo das pequenas coisas. Se calhar, o patriotismo está mesmo nas pequenas coisas. Estamos todos fora e muitos de nós desiludidos com as oportunidades que não tivemos em casa. Mas nestas alturas não há cá falar mal de Portugal. Nestas alturas grita-se "POR-TU-GAL! POR-TU-GAL!". Somos uma nação. E é tão bom.

5.6.08

Para a Liliana

“… E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram. Não perdi nada, apenas a ilusão de que tudo podia ser meu para sempre.”
Miguel Sousa Tavares no funeral da mãe, Sophia de Mello Breyner Andresen

Liliana
: não te sei consolar. Mas gostava de chorar contigo, se me deixares. Beijo.

3.6.08

Este blog fez um ano...

... a 5 de Maio. Fiz o blog uma semana depois de ter aceite uma proposta para vir para Madrid. Ia sair de Sines. Ia fazer o que queria. Ia sentir-me, outra vez, feliz. Há mais mundos, e eu ia deixar aquele mundo ao qual apenas me prendiam o mar, os gatos e os meus vizinhos velhotes e fofinhos, o Alberto e a Teresa. Trouxe a Primavera pq não podia deixar aquela gata cega à sua sorte. Vou a Sines de propósito ver o Alberto e a Teresa. Telefono-lhes, levo-lhes garrafas de vinho tinto bom e embalagens de camarão de Moçambique e comida para os gatos da rua, que os míseros 200 euros de pensão que cada um deles recebe mal chegam para os medicamentos que têm de comprar. A Primavera sobreviveu apesar da leucemia e está demasiado gorda, porque é cega e portanto pouco ágil. Mas está bem e feliz. O mar está longe e custa-me viver sem mar. Mudei de mundo há um ano, voltei a Madrid a 4 de Junho de 2007.

31.5.08

Ay me voy otra vez...

Ahí te dejo Madrid!!!! Mas são só dois dias. Até lá, Lisboa :).

29.5.08

Ser (em) português?

Tudo bem, chamem-me nomes, mas eu pergunto na mesma. Porque é que há tanta gente tão revoltada e sofredora com a história do novo acordo ortográfico? Ai que mata a língua, ai que desgraça, ai coitadinhos de nós que nos querem roubar o nosso lindo idioma, ai ai ai, ui ui ui, nós gostamos é de arranjar coisas para nos queixarmos. Depois é manifestos indignados assinados por membros ilustres da nossa sociedade, auto-intitulados defensores dos grandiosos valores da língua mãe. Terei mesmo vivido uma realidade paralela todos estes anos da minha vida (às vezes penso mesmo que sim), ou é ou não é verdade que os portugueses se estão marimbando para o português? Vejamos: os portugueses morrem tanto de vergonha da sua língua, que se não for fado, Jorge Palma ou um freak alternativo e drogado a cantar, a música cantada em português é sempre quase sempre uma merda, desculpabilizada com olhares condescendentes e vagamente trocistas. Ter um qualquer programa informático instalado em português é, mais que um crime, a prova suprema de uma pinderiquisse irremediável. Da mesma forma, é proibido arranjar equivalente português para tudo o que são palavras novas e tecnologicamente inovadoras. Em seguida, goza-se com outras gentes, e assim de mansinho lembro-me dos franceses, dos alemães e, por supuesto, dos hermanos. Porque deste lado da fronteira, a malta curte chamar "red inalámbrica" ao wireless e porque “baja” cenas da rede em vez de fazer download, e porque um template é, com muito gosto, uma "plantilla". Quando vim para Madrid pela primeira vez não dizia duas seguidas de espanhol. Acontecia-me muitas vezes não ter vocabulário e amigos meus, numa de me tentarem ajudar, perguntavam-me como é que dizia a palavra em português (podia ser que fosse parecido). E eu, mais que uma vez, dei por mim a responder, envergonhada, “não sei”. “Mas não sabes como?” “Porque nós usamos a palavra inglesa”. E depois, certo e sabido, levava um sermão que começava e terminava em “realmente não gostam nada da vossa língua…”. O que responder? Isto faz algum sentido. A verdade é que muitos dos mais sinceramente ofendidos com o acordo falam mal, escrevem mal, e pior, não fazem a mínima ideia do que estão a criticar no acordo, não porque não haja nada para criticar, mas simplesmente porque não se deram ao trabalho de o ler. No que me diz respeito, só há duas palavras que ouvi (quase) todos os portugueses pronunciarem de boca cheia, orgulhosa, e por vezes mesmo meia salivante e empolada: uma é "doutor", a outra é "engenheiro". Aí é que é uma festa, vê-los perdidos de contentamento nos seus “a doutora isto” o engenheiro aquilo”. Que felicidade. Estas duas palavras, pelo menos, ainda se dizem em português.

28.5.08

Esta juventude e a net...

A minha irmãzinha linda-jeitosona de 19 anos tem estado comigo em Madrid, o que significa que eu não me consigo aproximar do computador mais de 3 minutos por dia... ai ai...

21.5.08

E não...

...amanhã não é feriado aqui na hermanolândia. Já chega de fazer pirraça, ok?

Miércoles en Madrid (#1)

La tanguera, o musical argentino, até 1 de Junho no Nuevo Teatro Alcalá. Muito bom.