22.4.09

O resto dos outros

Faz agora três anos, que, já andando a laurear a pevide por terras de nuestros hermanos, comecei a trabalhar num memorável projecto de incineração dedicada de resíduos industriais perigosos (isto merece um comentário noutro post). Adiante. A páginas tantas, descobri este gráfico.
Fonte: Feique
Ora, lá porque vivo em Espanha não significa que renegue o meu país querido do qual digo tanto mal, mas do qual gosto tanto (especialmente quando estou fora). Por isso, uma minha reacção semi-pavloviana levou-me a procurar, com ânsia, por Portugal.

Então, foi assim (vou tentar descrever os meus pensamentos aquando da observação do dito gráfico): Escrutínio rápido do gráfico - ok, os grandes, Alemanha, França, etc., talvez aqui nos mais pequenos, Irlanda, Bélgica, humm, não. Ok, estamos no "Resto", faz sentido, somos um país pequeno afinal... bom, a Bélgica também, mas pronto, eu vivi lá, as pessoas são diferentes lá, compreendem que a riqueza económica não cai do céu, é uma questão de mentalidade, que até temos boas condições para pôr mais indústria. Olha Sines, e aquele espectacular porto. Enfim. Ok, portanto, "Resto". Escrutínio rápido, início da lista, Suécia, Polónia, humm, meio da lista, Áustria... merda, queres ver que estamos no fim da lista? É sempre a mesma coisa, pá! Bom, vamos lá ver, fim da lista... Hungria. Hungria? Não há mais? Devo ter visto mal... deixa lá ver outra vez. Suécia, Polónia,..., Hungria. Pois. Não estamos. Ah, mas depois de Hungria vem "Outros". Ok. Estamos nos "Outros".

Escusado será dizer que não há gráficos com os "Outros". Os "Outros" não interessam. Porque ou és mais importante, e saltas à vista, ou não és tão importante, e estás no "Resto". Agora, se estás nos "Outros" do "Resto", vaitafoder, porque aqui não pintas nada! Porque és, nem mais, o resto dos outros. E esta é também, assim em linhas gerais, mais ou menos, a mesma razão porque nunca aparecemos nas tabelas da última página do Economist, mesmo que lá apareçam todo o tipo de inusitados países. Agora, perguntinha: quando eu tinha 16 anos e estava a decidir a que engenharias me ia candidatar, onde é que andavam estes gráficos?

2 comentários:

Júlio disse...

Tinham dado jeito esses gráficos... e outros que eu cá sei tinham me dado jeito a mim...
:/

Margarida disse...

Pois. Mas estas coisas nunca aparecem qdo sao precisas...