6.9.10

Em tempos pensei participar naquela cena da rádio

Aquela, da nossa vida dar um blog.

Mas os poucos programas que ouvi zappeando rádios quando estou em Pt tinham todos um tom tão pipoca, tão oco, tão ai que giro ai que maluqueira, que enfim.

E eu já tentei, mas a verdade é que me estou a borrifar para o número de visitas. Gosto que venham, mas não faço nada por isso.

É assim como os blind dates: nunca fiz, nunca tive vontade de fazer. Gosto mais das coincidências, gosto de poder revisitar a novela da minha vida e interrogar-me, como a Amaral, donde empieza y donde acabará el destino que nos une y nos apartará?

4 comentários:

I. disse...

Com franqueza, acho isso da rádio deprimente... não tem piadinha nenhuma ouvir posts ditos.

Olha, podem ser poucos mas bons, é o meu caso ;)

Margarida disse...

obrigadinha, I. Podes dizer adeus ao selo.

Eu fiz o tal programa de rádio. Adorei ler me na voz dos outros mas penso ter sido a única, ninguém mais gostou, parece que era suposto ser uma pessoa sarcástica e os textos eram lidos de forma simpática, isto é, pensavam que eu era uma besta e saiu-lhes uma pessoa humana. Mas pronto, eu adorei ouvir-me, vale a pena, nem que seja por ti e agora com licença, vou tirar o selo lá da lambisgóia.

Maggie disse...

Ó Margarida, manda-me lá o link disso que eu até hoje nunca consegui gostar da maneira como os textos são lidos. :)

Margarida disse...

Nem sei mais, está na rádio comercial, arquivos. Sou muito discreta e achei que seria foleiro andar a espetar na barra direita logo a seguir ao "blog to express not to impress" (mas sou tão expectacular)